Pular para o conteúdo
Voltar

Cadeia socioprodutiva da castanha-do-brasil é tema de seminário em Cotriguaçu

Sucena Shkrada Resk | Instituto Centro de Vida

Seaf MT
A | A

Visitas a campo e diálogos a respeito do quadro atual de coleta, beneficiamento, comercialização, financiamentos e políticas públicas concentrarão a programação do Seminário “Desafios e perspectivas da cadeia da Castanha-do-Brasil no Noroeste de Mato Grosso, que será realizado entre os dias 15 e 17 de fevereiro, em Cotriguaçu. O evento é uma realização da Associação de Coletores de Castanha-do-Brasil do PA Juruena (ACCPAJ), do Instituto Centro de Vida (ICV) e da ONF Brasil. A iniciativa tem o apoio do Governo do Estado, por meio da Seaf e Sema.

O evento, segundo Solène Tricaud, coordenadora da Iniciativa de Desenvolvimento Rural Comunitário do ICV, promoverá discussões sobre conquistas e desafios que serão levadas à Câmara Técnica do Extrativismo e dos Produtos da Sociobiodiversidade – CTEPS, que está sendo rearticulada no Estado, como também propostas de novas políticas no segmento para regulamentação ambiental e trabalhista, além de apresentar cases regionais. Entre eles, da própria ACCPAJ, como também da Cooperativa Mista de Guariba (Comigua), que beneficia matéria-prima da Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt (única do Estado); do Pacto das Águas, em diferentes municípios da região e da Cooperativa de Agricultores do Vale do Amanhecer (Coopavam), de Juruena. Algumas dessas experiências já comercializam produtos derivados da castanha-do-brasil em escala.

Segundo o coordenador de atividades produtivas sustentáveis da Seaf, Leonardo Vivaldini, a secretaria irá contribuir tanto na visita técnica, como na condução de mesa redonda tratando de assuntos como: Arranjos institucionais para compras e vendas coletivas, financiamento para o extrativismo e beneficiamento e empreendimentos econômicos solidários.

Os participantes realizarão, no primeiro dia, visitas monitoradas em áreas de coleta, dentre as quais a Fazenda São Nicolau, da ONF Brasil. Nos dois dias seguintes, haverá apresentações, diálogos e construção de propostas de encaminhamentos.

No dia 16, das 16h30 às 20h, haverá também um espaço aberto ao público em geral, na Câmara dos Vereadores de Cotriguaçu, com feira de produtos locais do extrativismo regional, que envolve além da castanha, outras cadeias socioprodutivas, como do babaçu e apicultura, com doces, bolachas, mel, farinhas, óleos e artesanatos. Os visitantes poderão ainda apreciar exposição de fotos.