Pular para o conteúdo
Voltar

Abertura de congresso destaca evolução da discussão técnica sobre SAFs

Gabriel Faria - Embrapa MT | Seaf MT

SAFS - Foto por: Henrique Pimenta
SAFS
A | A

 

Foi aberto na noite da última segunda-feira, no teatro da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá (MT), o X Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais (CBSAF). Além do ato oficial que marcou o início do evento, a solenidade contou com uma palestra fazendo um resgate histórico do uso de agroflorestas no Brasil e do estudo delas com a denominação moderna de SAFs.

Durante a cerimônia de abertura, o secretário de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários de Mato Grosso, Suelme Fernandes, ressaltou a importância da realização do evento em Cuiabá e da maior divulgação dos sistemas agroflorestais no estado.

Ele lembrou que apesar de ser reconhecido pela grande produção de commodities, Mato Grosso tem o segundo maior número de assentamentos da reforma agrária no país. São mais de 700 projetos de assentamentos, sendo a maior parte deles no bioma Amazônia, onde os SAFs têm grande potencial de geração de renda para a agricultura familiar.

Evolução dos SAFs

A palestra de abertura foi ministrada pelo professor da Universidade Federal do Paraná e presidente da Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais, Ivan Crespo. Ele mostrou ao público presente que os SAFs são uma prática antiga, porém que somente no fim da década de 1980, início dos anos 1990 recebeu essa conceituação atualmente utilizada por pesquisadores, professores, técnicos e produtores.

Como exemplo, Crespo citou cultivos indígenas praticados há séculos em regiões tropicais do mundo, plantios de cacau e café feitos em consórcio com outras espécies florestais e também os quintais agroecológicos muito comuns no Brasil nas épocas de colônia e império.

Com um resgate histórico, o palestrante mostrou como o atual conceito de sistemas agroflorestais foi estabelecido a partir da criação da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), de centros de pesquisa agroflorestais da Embrapa na região Norte e de eventos como o I Congresso Brasileiro de SAF, realizado em 1994.

De acordo com Ivan Crespo, desde então, muitos avanços técnicos, científicos e práticos tem sido sistematizados em todo o país, aumentando o conhecimento sobre SAFs.

"A temática SAF avançou e avança em ritmo acelerado. Temos cada vez mais pesquisas, com temáticas variadas, em modelos distintos de SAF. Esse processo de diversificação da pesquisa é estimulado pelos dez edições do congresso", avalia Ivan Crespo.

Apesar dos avanços nas duas últimas décadas, o presidente da SBSAF destacou os desafios que ainda precisam ser enfrentados, como a internalização do conceito e das técnicas entre produtores e técnicos, o estímulo ao desenvolvimento de SAFs agroecológicos, a entrada do tema em programas de fomento e linhas de crédito, como já ocorre com o Programa ABC, a contemplação em programas de base florestal, entre outros.

Programação

A programação técnica-científica do congresso terá continuidade nesta terça-feira e irá até a tarde de quinta-feira no prédio da Engenharia Florestal da UFMT.

Nesta terça-feira a aprendizagem em SAF será o grande foco de palestras, três mesas redondas e também dos minicursos.

Realização

O Congresso Brasileiro de Sistema Agroflorestais é promovido pela Sociedade Brasileira da SAF e realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Governo de Mato Grosso por meio da SEAF e Sema, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Instituto Ouro Verde, Grupo Semente e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).