Pular para o conteúdo
Voltar

Seaf apresenta ações do Pró-Café aos municípios do Noroeste

A meta é saltar a produção de 8 para 20 sacas de café por hectare plantado e, assim, alcançar o número de 300 mil sacas em 2018
Henrique Pimenta | Seaf-MT

Reunião com agricultores familiares - Foto por: Henrique Pimenta
Reunião com agricultores familiares
A | A

O secretário de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf), Suelme Fernandes, participou durante o fim de semana (06 à 08/08) de ações para divulgação do Programa de Revitalização da Cafeicultura, o “Pró-Café”, em mais três municípios do noroeste mato-grossense.

Cotriguaçu, Nova Bandeirantes e Colniza receberam a equipe técnica da secretaria com objetivo de apresentar as ações já desenvolvidas no programa. Com investimento anual de R$ 1,1 milhões de reais, o programa tem como atuação quatro eixos fundamentais: Estruturação de viveiros e distribuição de insumos; Validação e transferência de tecnologia; Capacitação e treinamento e Assistência técnica e Extensão rural.

“Estamos nos municípios verificando in loco os resultados do Pró-Café, como a revitalização dos viveiros de Nova Bandeirantes, Colniza e Aripuanã, com as novas mudas de café clonal BRS Ouro Preto, validadas pela Embrapa e Empaer. Além disso, o repasse para o município de Rondolândia já está na conta para a prefeitura realizar o trabalho”, comentou o secretário Suelme.

Durante a passagem pelos três municípios a equipe de trabalho da Seaf realizou reuniões técnicas com dezenas de pequenos cafeicultores selecionados pelo programa com orientações sobre a metodologia do Pró Café. Também foi recebida demandas sobre regularização fundiária, além de atendimento a associações e cooperativas que já atuam na cadeia do leite, cultura do babaçu e produtos da sociobiodiversidade.

O técnico da Empaer Tiago Tombini explica que o programa idealizado pela Seaf, Empaer e com apoio da Embrapa foi planejado de forma completa. “Além de distribuição e plantio nos viveiros públicos da melhor variedade do café, iremos fazer a capacitação de técnicos multiplicadores, licitar e entregar a adubação de calcário e também ensinar técnicas de poda".

Suelme adiantou que os cafeicultores, selecionados  de forma técnica nos 10 municípios, terão crédito pré-aprovado pelo Banco do Brasil para financiarem sua produção, que é a contrapartida do agricultor familiar. Os municípios de Rondolândia e Cotriguaçu também já receberam o repasse para contratação de técnicos pelo Governo do Estado.

"Este é um programa importante para a história do café em Mato Grosso. Queremos ver as famílias de pequenos produtores tendo suas vidas transformadas por esse programa do Estado para revitalizar essa importante cultura", afirmou o governador Pedro Taques.

Estão inseridos nos programas inicialmente 10 municípios: Alta Floresta, Carlinda, Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Aripuanã, Colniza, Cotriguaçu, Juína, Rondolândia e Tangará da Serra.

“Esse projeto deu um avanço muito grande, um ânimo nos cafeicultores que estavam desacreditados e vamos produzir com essa variedade de café clonal muito mais do que com o café matão”, comentou o agricultor familiar Frederico Gusmão, de Nova Bandeirantes, cafeicultor desde 1982.

A meta do Pró-Café é saltar a produção de 8 para 20 sacas de café por hectare plantado e, assim, alcançar o número de 300 mil sacas em 2018. Ainda no mês de setembro, a Seaf lançará o cronograma de capacitação dos técnicos multiplicadores, que é uma das frentes de trabalho do programa.