Pular para o conteúdo
Voltar

Empaer inicia venda de alevinos

Assessoria Empaer MT | Cuiabá MT

Comercialização de alevinos - Foto por: João de Melo - Empaer MT
Comercialização de alevinos
A | A

A Estação de Piscicultura da Empaer, em Nossa Senhora do Livramento (42 km ao sul de Cuiabá), iniciou a venda de alevinos. A comercialização acontece todas as sextas-feiras, das 07:30 às 16h. As espécies comercializadas são tabatinga, tambacu e pirapicu. Alevinos de 3 a 5 cm são vendidos por R$ 200/milheiro, os de 5 a 8 cm por R$ 250/milheiro e os de 8 a 10 cm por R$ 300/milheiro. A primeira venda deste ano ocorreu nesta sexta-feira (29).

Ao comprar os alevinos, os produtores recebem ainda informações técnicas sobre a atividade e a comercialização de peixes como: primeiros passos na propriedade para recepcionar as espécies, seleção de área, construção e preparo do viveiro, quantidade de peixes por metro quadrado, transporte até a propriedade, procedimentos para transferência dos alevinos para a represa, alimentação, fatores de crescimento, como agregar valor ao produto (vender no isopor com gelo, sem escamas e vísceras, por exemplo) e onde vendê-lo.

Enock Alves, pesquisador da Empaer e engenheiro de pesca, responsável por capacitar os produtores na hora da compra, destaca a importância da informação. “Muitas vezes o produtor se baseia na prática de vizinhos ou conhecidos, que podem estar errados. É preciso informar esses produtores para que a sua criação seja produtiva e rentável. Os resultados positivos, além de aumentarem sua renda, agregam valor à atividade de piscicultura”.

Enquanto aguardava sua vez, o produtor Ederson Botelho Ramos conta que montou seu açude há um ano e que está comprando alevinos pela primeira vez. Ele pretende implantar a atividade de piscicultura em sua propriedade, uma pequena chácara na Estrada do Manso, mas que inicialmente a produção será apenas para consumo próprio. “Meu pai já trabalhou com piscicultura e agora eu estou tentando. No início vou produzir só para consumo, por enquanto é só um teste. Se der certo, a gente expande”. Ederson ressaltou ainda a relevância das informações repassadas pela Empaer na hora da compra. “Nos passaram informações importantes, como alimentação e oxigenação dos tanques, e isso faz muita diferença”, afirma.

Adelino Mendes, proprietário de uma chácara de 50 hectares, já desenvolve a atividade em sua propriedade. Com uma produção diversificada, que conta com gado, abacaxi, milho e mandioca, tem na piscicultura uma alternativa de renda. Com 10 represas ativas, decidiu comprar os alevinos da Empaer pela primeira vez e está bastante otimista. “Decidi comprar porque os técnicos da empresa são bastante próximos, estão sempre visitando a minha chácara, acompanhando a produção. Eles me indicaram e eu resolvi testar. Estou otimista”, conta.

Proprietário do sítio Capão, em Poconé, o produtor Ney Gonçalves Pires de Arruda comprou os alevinos da Empaer pela segunda vez. Com 3 tanques em sua propriedade, ele conta que sempre gostou das espécies da empresa. “Vou levar mil dessa vez, dos mais pequenos. Gosto muito dos alevinos daqui. O preço é baixo. Além disso, a Empaer é parceira da nossa comunidade, os técnicos sempre visitam os meus tanques”.

O chefe da estação, Antônio Claudino da Silva Filho, afirma que se realizada com as devidas orientações, a atividade de piscicultura tem um bom retorno financeiro. “É uma renda a mais para o pequeno produtor. Se ele seguir as orientações corretas, terá um índice de mortalidade muito baixo”, afirma. “Na hora de transferir os alevinos para a represa, por exemplo, é necessário que o produtor se atente à temperatura da água. Ele precisa ir misturando aos poucos a água da represa e a da sacola, para que os peixes não sofram um choque térmico”.

Após serem embalados, os alevinos sobrevivem por apenas 5 ou 6 horas na embalagem de transporte até a propriedade. “Cuidados como esses garantem uma boa produção e, consequentemente, um retorno maior”, ressaltou. A previsão de vendas para este primeiro dia, segundo ele, é de 50 mil unidades de alevinos, sendo as espécies Tabatinga e Pirapicu as mais procuradas.

Antônio lembrou ainda que compras acima de 5 mil unidades de alevinos devem ser agendadas com um dia de antecedência para que não haja atraso na comercialização, já que a procura é grande e separar essa quantidade pode aumentar muito o tempo de espera dos demais produtores.

Para mais informações, os interessados podem entrar em contato pelo telefone (65) 9973-5421.