Pular para o conteúdo
Voltar

Preços de frutas, verduras e legumes caem durante quarentena

Central Atacadista de Cuiabá manteve atendimento, porém adotou medidas preventivas ao coronavírus
Luciana Cury | Seaf

Central Atacadista de Cuiabá manteve atendimento, porém adotou medidas preventivas ao coronavírus - Foto por: Lucas Diego
Central Atacadista de Cuiabá manteve atendimento, porém adotou medidas preventivas ao coronavírus
A | A

Os preços das frutas, legumes e verduras mais vendidas em Cuiabá caíram em março na comparação com fevereiro, de acordo com levantamento divulgado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf) divulgado nesta quarta-feira (01.04). Os impactos negativos na comercialização foram percebidos na Central de Abastecimento de Cuiabá, que abastece o comércio atacadista e varejista de hortifrutigranjeiros da capital e interior.

A queda, segundo levantamento, é reflexo das medidas tomadas nacionalmente para se evitar a proliferação da Covid-19, que dentre as ações atingiu os principais frequentadores da Central, como proprietários de restaurantes, feirantes e distribuidores da merenda escolar nas escolas públicas. “Nossos clientes hoje são apenas as redes de atacado e proprietários de mercados de pequeno porte, que ainda estão funcionando nesse período. Nosso atendimento reduziu drasticamente. Eu diria uns 60% a menos do que estamos acostumados”, comenta o permissionário João Gomes, que possui um box de frutas e verduras na Central de Abastecimento.

Entre os produtos pesquisados com preços menores estão berinjela, chuchu, jiló, pimenta-de-cheiro, quiabo, banana maçã e nanica, banana da terra, mamão formosa e a tangerina. A queda maior foi percebida no jiló e no chuchu, cuja a redução foi superior a 50%. Na penúltima semana de fevereiro a caixa de 21kg de chuchu era vendida a R$ 60. Ontem essa mesma quantidade era comercializada a R$ 25, representando uma diminuição de 58%.  Já o jiló era vendido a R$ 70 a caixa com 15kg, e no último dia de março baixou para R$ 35.

Além deles, outros itens com queda significativa de valores estão a banana maçã, o mamão formosa e o quiabo, com redução de 30%, 35% e 37% respectivamente.

Alta

Na contramão da queda, outros itens tiveram alta no preço. São eles o alface americana, alho, batata, a cenoura, cebola, uva niágara e ovos. O aumento maior foi notado na comercialização da cebola, com alta de 48% em um período de 30 dias. De R$ 40 a caixa com 20kg saltou para R$ 60. Na sequencia do aumento aparece o alho, que subiu de R$ 180 a caixa com 10kg para R$ 260, representando alta de 45%. Em seguida aparece ainda a batata lisa e o alface, que juntos subiram 40%.

Segundo a coordenadora de Acesso aos Mercados da Seaf, Doraci Maria de Siqueira, os itens que tiveram alta são os produzidos em outros estados e que nesse período de quarentena tem tido uma procura maior, em todo o país. “Já aqueles itens produzidos no Estado, como as verdurinhas em geral, os preços caíram justamente porque a busca por eles foi reduzida drasticamente por causa do isolamento da população, e por serem perecíveis o produtor está tendo de abaixar os valores para não ter um prejuízo maior”, explica Doraci Siqueira.  

Prevenção

Por se tratar uma atividade essencial à população, o abastecimento na Central de Abastecimento de Cuiabá não foi interrompido. Para se adequar ao período, o espaço localizado no distrito industrial adotou medidas de prevenção ao Covid-19. De acordo com a presidente da Associação dos Permissionários da Central de Abastecimento de Cuiabá, Marilda Giraldelli, o horário de funcionamento e o de descarga de mercadorias foi reduzido. “Não abrimos mais aos domingos, reduzimos o número de permissionários na Central, ficando apenas um ou no máximo dois por box, e disponibilizamos todos os dias álcool em gel para limpeza dos produtos e para a higiene dos permissionários”, comenta Marilda.

A Central de Abastecimento de Cuiabá está localizada no distrito industrial, e recebe mercadorias de sete estados: São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. No local circulam diariamente 250 toneladas de frutas, verduras e legumes, que representam 70% dos itens hortifrutigranjeiros consumidos no Estado.