Pular para o conteúdo
Voltar

Mais escolas estaduais serão atendidas com programa de implantação de hortas

Em 2018, a ação envolveu mais de 17 mil pessoas entre alunos, professores, funcionários das unidades escolares e demais membros da comunidade
Naiara Martins | Seaf-MT

As hortas escolares cumprem o papel social de amparo às famílias carentes, beneficiadas com a doação dos alimentos excedentes produzidos - Foto por: Lucas Diego
As hortas escolares cumprem o papel social de amparo às famílias carentes, beneficiadas com a doação dos alimentos excedentes produzidos
A | A

A Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf) se prepara para dar continuidade ao Programa MT Produtivo - Hortas Escolares, desenvolvido em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). A iniciativa prevê o cultivo de hortas em escolas da zona rural, inseridas no contexto escolar como ferramentas didático-pedagógicas, que assumem o papel de facilitador no processo de aprendizagem e interação escolar.   

Segundo o engenheiro agrônomo e coordenador do programa, Luiz Henrique Carvalho, já estão em fase de conclusão o levantamento de custo e diagnóstico que irão definir as escolas a serem atendidas neste ano. A expectativa é de que sejam investidos cerca de R$ 170 mil para a manutenção das hortas já existentes e a implantação de novas unidades. Toda a produção das hortas será voltada ao reforço da merenda escolar.   

Em 2018, o programa beneficiou 42 escolas em 21 municípios, sendo eles, Acorizal, Água Boa, Alto Paraguai, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Jangada, Mirassol D’Oeste, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Porto dos Gaúchos, Poxoréu, Primavera do Leste, Rondonópolis, Rosário Oeste, Santo Antônio do Leverger, Sinop, Tangará da Serra e Várzea Grande. A ação envolveu mais de 17 mil pessoas entre alunos, professores, funcionários das unidades escolares e demais membros da comunidade.   

Na parceria, a Seaf assume a responsabilidade pela orientação e suporte técnico para a produção das mudas e formação das hortas. Também cabe à Agricultura o fornecimento de sementes, adubos, ferramentas, sombrites para a cobertura dos canteiros, irrigação das hortas e demais insumos.

Além de trabalhar a conscientização dos alunos para a adoção de hábitos alimentares mais saudáveis, as secretarias também trabalham para ofertar um ambiente de aprendizado diversificado, com a inserção de temas ligados à agricultura, ao aproveitamento de resíduos, ao consumo consciente da água, e o incentivo ao espírito de cooperativismo e participação.

“É um programa de baixo custo para o Estado e de grande impacto social. Além do reforço à alimentação escolar, as hortas educam as crianças para as boas práticas da produção sustentável e permitem a interação com a comunidade, dentro de um ambiente seguro. O nível de envolvimento da equipe escolar e da comunidade, e o histórico de ações de engajamento dessas escolas em ações e participações sociais são levados em consideração no momento de definir a inclusão da unidade no programa”, salientou Luiz Henrique.

As hortas escolares cumprem ainda o papel social de amparo às famílias carentes, beneficiadas com a doação dos alimentos excedentes produzidos. As tarefas em grupo também são oportunidades para aprimorar o relacionamento interpessoal entre os alunos, incentivando inclusive, o espírito de cooperativismo e participação. Valores como o envolvimento social e a capacidade de compartilhar dos alunos também são exercitados.

O Programa MT Produtivo – Hortas Escolares conta com a parceria das prefeituras municipais, Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, e da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).