Pular para o conteúdo
Voltar

Pimenta de cheiro e tomate sobem; quiabo e banana-maçã têm queda

Já o preço do tomate e da pimenta de cheiro aumentou.
Luciana Cury | Seaf-MT

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, por técnicos da Seaf, Empaer e prefeitura de Cuiabá. - Foto por: Assessoria
A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, por técnicos da Seaf, Empaer e prefeitura de Cuiabá.
A | A

O preço da banana-maçã e do quiabo tiveram queda superior a 20% nesta semana, segundo aponta o levantamento semanal divulgado nessa terça-feira (26.03) pela Secretaria Estadual de Agricultura Familiar (Seaf). De R$ 40,00, a caixa do quiabo com 14 quilos reduziu para 30,00, representando uma diminuição de 24%. Já a caixa de 20 quilos da banana-maçã tem o preço semanal fixado em 35,00. Na semana passada esse mesmo produto custava 45,00. A queda da fruta foi de 22%.

No caminho contrário ao do quiabo e da banana maça, o tomate e a pimenta de cheiro tiveram alta no valor comercializado. Ainda de acordo com a cotação dos produtos hortifrutigranjeiros comercializados na Central de Abastecimento de Cuiabá, o tomate subiu de preço 11% e a pimenta de cheiro 24%. O preço da caixa com 20 quilos do tomate passou de R$ 90,00 para R$ 100,00. Já a pimenta de cheiro, a caixa com oito quilos saltou de R$ 40,00 para R$ 50,00.

Para o engenheiro agrônomo da Seaf, Luiz Henrique Carvalho, a entressafra do tomate e da pimenta de cheiro deixou o preço desses produtos mais elevados. “Já a queda no preço da banana-maçã e do quiabo no atacado se deve pelo aumento da quantidade desses produtos no comércio”, comenta Luiz Araújo.

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, toda terça-feira a partir 5h, por técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e prefeitura de Cuiabá. A pesquisa de preço é realizada na Central de Abastecimento de Cuiabá, levando em conta o preço mínimo, mais comum e o preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.